Imprimir

Nossas crianças

04/10/2017 - 11:49 
Autor: Alexandre Garcia

O volante Gabriel, do Corinthians, foi suspenso por dois jogos por causa de gesto obceno feito para a torcida do São Paulo. Ele pusera a mão sobre a parte da frente do calção, entre as pernas. Fico me perguntando se seria arte, na mesma cidade, quando aquela mãe induziu a filhinha a tocar num homem nu, deitado no chão. Em Jundiaí, a alguns quilômetros dali, um pai de 24 anos foi preso por estar fumando maconha no carro de vidros fechados,  com seu bebê de uma semana deitado ao lado. Fico me perguntando porque estava aberta para crianças uma exposição em Porto Alegre que mostra um negro com o pênis de um branco na boca, enquanto outro branco o penetra por trás. A mesma exposição tem uma ovelha sendo violentada por duas pessoas, enquanto uma mulher pratica sexo com um cachorro. Não entendi porque isso estava num museu, aberto a crianças, e não numa casa noturna de shows de esquisitices sexuais e restrito a adultos.

Imprimir

Ministros são convidados e confirmam participação na CPI dos Maus-Tratos

Senador Magno Malta, presidente da CPI dos Maus-Tratos contra Crianças e Adolescentes, confirmou que o Ministro da Saúde, Ricardo Barros e o Ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, participarão da 4º audiência pública, amanhã, quarta-feira, às 10 horas da manhã, no plenário 6, na Ala Senador Nilo Coelho. Em pauta, o avanço de suicídio entre jovens e a implementação de políticas públicas voltadas para a primeira infância. “A participação dos ministros pode esclarecer pontos importantes em que a CPI vem trabalhando para resgatar crianças e adolescentes que sofrem abusos na primeira infância e muitos cometem suicídios”, explicou Magno Malta. 

Preocupa a CPI dos Maus-Tratos o avanço de suicídio entre jovens. Essa é a quarta causa de morte de brasileiros entre 15 a 29 anos. O Ministério da Saúde indica um crescimento de mortes por suicídio na faixa entre 10 a 19 anos de 2011 a 2015. Os casos subiram de 782 para 893. “Na audiência da semana passada, a quinta reunião da CPI, médicos e profissionais que lidam com prevenção de suicídios entre jovens revelaram a triste realidade. Vamos ouvir do Ministro da Saúde as ações preventivas que contemplam este setor e o planejamento para mudar o quadro”, revelou Magno Malta.

Imprimir

Crimes cibernéticos, suicídios e violência marcam audiência da CPI dos Maus-Tratos contra crianças

Presidente da CPI dos Maus-Tratos Contra Crianças e Adolescentes, senador Magno Malta comandou nesta quinta-feira, no Senado Federal, a primeira audiência pública ouvindo representantes do Ministério da Saúde e do Comitê Gestor da Internet e o presidente da SaferNet. “Esta CPI foi criada para agir rápido e nosso objetivo é apresentar para o Brasil uma moderna, ampla e eficiente legislação em defesa da Criança e do Adolescente”, prometeu Magno Malta.

Nesta primeira audiência, o presidente Magno Malta e o relator, senador José Medeiros, ouviram detalhes das ações realizadas hoje em alguns setores essenciais. A assessora Técnica da Coordenação Geral de Saúde do Adolescente e Jovem, Gracielly Alves Delgado representou o Ministério da Saúde e falou das políticas públicas de prevenção a violência, abusos sexuais e maus-tratos aos jovens brasileiros.

Imprimir

CPI dos Maus Tratos será instalada e Magno Malta vai apurar novas denúncias de crimes contra criança

Está marcada para hoje, quarta-feira (9), às 11h, na Ala Alexandre Costa, no Senado Federal, a reunião de instalação da CPI dos Maus Tratos de Crianças e Adolescentes. No mesmo encontro, haverá a eleição do presidente e do vice e a designação do relator da comissão. “Criança nasce para ser amada e não abusada”, disse ontem, o senador Magno Malta, que sugeriu a criação da nova CPI e já presidiu a CPI da Pedofilia.

A CPI foi criada para investigar as irregularidades e os crimes relacionados aos maus-tratos em crianças e adolescentes no país. O senador Magno Malta argumenta que são inúmeras as denúncias que a imprensa apresenta todos os dias de maus tratos contra crianças no Brasil. Ele ainda lembra que na maioria dos casos os agressores são pessoas que deveriam estar protegendo os menores.