Imprimir

Crimes cibernéticos, suicídios e violência marcam audiência da CPI dos Maus-Tratos contra crianças

Publicado em .

Presidente da CPI dos Maus-Tratos Contra Crianças e Adolescentes, senador Magno Malta comandou nesta quinta-feira, no Senado Federal, a primeira audiência pública ouvindo representantes do Ministério da Saúde e do Comitê Gestor da Internet e o presidente da SaferNet. “Esta CPI foi criada para agir rápido e nosso objetivo é apresentar para o Brasil uma moderna, ampla e eficiente legislação em defesa da Criança e do Adolescente”, prometeu Magno Malta.

Nesta primeira audiência, o presidente Magno Malta e o relator, senador José Medeiros, ouviram detalhes das ações realizadas hoje em alguns setores essenciais. A assessora Técnica da Coordenação Geral de Saúde do Adolescente e Jovem, Gracielly Alves Delgado representou o Ministério da Saúde e falou das políticas públicas de prevenção a violência, abusos sexuais e maus-tratos aos jovens brasileiros.

Representando o Comitê Gestor da Internet, Fábio Novaes de Senne, usou o microfone para falar dos avanços da política de prevenção nas redes sociais, principalmente após a CPI da Pedofilia, concluída em 2010. Magno pediu um relato do comprimento das ações em vigor para evitar crimes cibernéticos contra crianças e adolescentes, Ele explicou a origem do jogo Baleia Azul e sobre os suicídios de jovens online, apresentando números atualizados. “A cada hora um suicido é cometido no Brasil”, alertou. Neste momento, o senador Magno Malta ilustrou com uma foto de um jovem preparando para pular do v&atilde ;o central da Terceira Ponte, no Espírito Santo. Uma resposta da realidade com os fatos ditos na CPI.

O Presidente da SaferNet, Thiago Tavares, que também acompanhou a CPI da Pedofilia, citou várias vezes os avanços que uma CPI pode trazer para a coletividade. Ele lembrou da importância de fazer cumprir o compromisso da empresas de cartões de crédito de não permitir pagamento para jogos online e material pornográfico, “Vamos convocar estas empresas para exigir que não aceitem pagamento via cartão para estas atividades ilícitas”, falou Magno Malta.

Toda audiência pública foi transmitida pelas diversas redes sociais. “Lamento o pouco interesse de alguns setores nesta pauta em defesa das crianças. Mas a população tem como acompanhar e sabe que tem como pedir auxílio. Após a instalação da CPI o volume de denúncia aumentou e vamos apurar para coibir todo tipo de abuso contra crianças e adolescentes”, finalizou Magno Malta.

Assessoria de Imprensa