Imprimir

Caravana da Vida - 03/04 às 19h

Imprimir

Tudo pronto para a Caravana da Vida com Magno Malta e amigos em Feu Rosa, na Serra

A Praça Feu Rosa, na rua das Margaridas, vai ficar mais florida, nesta segunda-feira, 3 de abril, com a passagem da Caravana da Vida pelo município da Serra. “Juntamente com o senador Ricardo Ferraço, cantora Lauriete, as duplas Jean&Juliano, Rayssa&Ravel, Higino&Gabriel, além dos solos de Karla Malta, Cristina Mel, JottaA e Rafael Malta, estaremos também recebendo inúmeros artistas convidados do Espírito Santo. É uma rica oportunidade para revelar valores e ao mesmo tempo transmitir nossas mensagens em defesa da vida”, explicou senador Magno Malta.

Na segunda-feira passada, em Cariacica, a Caravana da Vida, edição 2017, estreou em grande estilo, reunindo nomes consagrados do meio artístico. A praça da bíblia, em Nova Rosa da Penha, ficou pequena para o público de todas as idades. “Foi um show de paz e fé. Mesmo com uma grande multidão, não foi registrado nenhum incidente. E mais uma vez levamos nossa mensagem contra a legalização da maconha, do aborto e da defesa da vida”, explicou Magno Malta, idealizador do projeto.

Imprimir

Magno Malta destaca crise de autoridade em ciclo de palestras voltada para lideranças cristãs

Com a presença do Ministro Augusto Nades, presidente do Tribunal de Conta da União, senador Magno Malta participou do ciclo de palestra da Lifeshape do Brasil, com o objetivo de trabalhar as principais lideranças do país, em contexto de alta performance. “O Brasil sofre uma crise de autoridade e precisamos reciclar as lideranças”, disse Magno Malta.

Imprimir

Legalização da maconha não diminuiu tráfico no Uruguai

Em dezembro, a Brigada de Narcóticos indicou que a droga mais confiscada em 2016 foi a maconha, chegando a 4,305 toneladas até 18 de dezembro

O Diretor Nacional de Polícia do Uruguai, Mario Layera, disse nesta terça-feira que a legalização da maconha, aprovada em 2013, não implicou diretamente na queda do tráfico desta droga e que o narcotráfico aumentou o número de assassinatos.

“No ano passado tivemos os níveis históricos mais altos de confisco no país proveniente de outra região. Por isso, entendemos que o tráfico para o Uruguai não se ressentiu de maneira notável”, comentou Layera em entrevista à rádio El Espectador, sobre a vigência da lei.