Imprimir

Magno e Romário na liderança da Frente Parlamentar Contra Legalização das drogas

Senador Magno Malta (PR/ES) convidou o deputado federal e senador eleito do Rio de Janeiro, Romário (PSB) para atuar na nova frente Parlamentar contra a Legalização das Drogas no Brasil. “Na presidência da Frente Mista em Defesa da Família já conto com mais de 400 deputados federais e 70 senadores. Romário é atuante e vamos lutar contra a manobra do movimento pró maconha que está usando o termo medicinal para liberar o baseado para crianças e jovens”, denunciou Magno Malta, que já apresentou provas desta denúncia ao Ministério Público e a Polícia Federal.

Segundo Magno Malta, “no Brasil muitas drogas ilícitas já tem suas propriedades usadas em benefícios da vida por simples portaria do Ministério da Saúde ou recursos jurídicos que já são permitidos, como acontece com a morfina, originária da papoula, eficaz na anestesia, a própria cocaína, cujos derivados são usados também como anestésicos e outras drogas que tem principio ativo pesquisados para cura estão na lista das substâncias permitidas para uso clínico do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. O THC da cannabis sativa, já comprovado eficaz em algumas doenças, Pode ser usado pela ciência sem aprovação do Congresso Nacional. Estamos debatendo é o ato de fumar maconha para a utopia em favor da saúde, que é totalmente incoerente. Repito, a morfina não é liberada  pelo Congresso para dopar jovens, para é permitida para amputar uma perna de um paciente se necessário. A cocaína também não é legalizada pelo Congresso Nacional para cheirar ou ser  aplicada indevidamente na corrente sanguínea, mas o uso medicinal de seus derivados já é procedimento  normal em laboratórios dentários. É muito dolorido extrair um dente sem a xilocaína”

Imprimir

Magno Malta anuncia criação da Frente Parlamentar contra legalização das drogas

Em pronunciamento no grande expediente, senador Magno Malta (PR/ES) alertou a sociedade para manobra sórdida com objetivo de  legalizar a maconha no Brasil. “Eu tenho 36 anos da minha vida enxugando lágrimas de mães de viciados e continuarei lutando contra este mal”, disse Magno Malta ao anunciar oficialmente a criação da Frente Parlamentar Mista Contra a Legalização das Drogas.

Imprimir

Magno Malta avança com a Frente Parlamentar Mista Contra Legalização das Drogas

O senador Magno Malta (PR/ES) tem o apoio de 75 senadores e 400 deputados federais  para a instalação da Frente Parlamentar Mista Contra a Legalização das Drogas no Brasil. Este foi o fato novo da sexta audiência pública da Comissão de Direitos Humanos (CDH) sobre a legalização do uso de maconha para fins terapêuticos ou recreativos. “Não aceitamos a legalização da maconha para qualquer finalidade que seja”, resumiu Magno Malta.

Segundo o senador Magno Malta, “a partir dessa frente vamos aprofundar o debate e não vamos aprovar o projeto a toque de caixa, pois estão querendo aproveitar o viés medicinal para liberar a maconha no Brasil”, alertou o senador.

Imprimir

Magno Malta quer provas testemunhais para comprovar motoristas alcoolizados

Projeto de Lei de autoria do senador Magno Malta (PR/ES) que tramita no Congresso Nacional fará com que provas testemunhais e documentais sejam aceitas para comprovar que o condutor de veículo estava sob efeito de álcool, ao invés de utilizar o teste do bafômetro, com o objetivo de punir devidamente o condutor alcoolizado.
 
Com aceitação de 84% da população brasileira, segundo pesquisa realizada este mês, o projeto de lei do senador Magno Malta vai considerar como infração gravíssima, aquela que consiste em conduzir o veículo automotor em via pública, estando o condutor sob influência de álcool ou qualquer outra substância psicoativa. A penalidade prevista para esta infração será de multa (cinco vezes) e a suspensão do direito de dirigir pelo período de 12 meses, sem prejuízo da aplicação de outras sanções penais e cíveis cabíveis. “Até senador, militares e outros não quiseram fazer o teste do bafômetro, mas agora, basta uma filmagem ou testemunhas para indiciar qualquer motorista alcoolizado”, detalhou Malta.