Imprimir

Magno Malta participa da primeira audiência pública para debater a legalização da maconha

Na luta contra a legalização do consumo e plantio da cannabis sativa, vulgarmente conhecida como maconha, senador Magno Malta (PR/ES) participa na Comissão de Direitos Humanos, nesta segunda-feira, da audiência pública interativa para instruir  a regulamentação do uso recreativo, medicinal ou industrial da maconha e para avaliar a experiência internacional com a liberação da droga, em especial no Uruguai. “É mais um bom combate em favor da família e contra uma erva que degrada a saúde e a moral do ser humano”, posicionou Magno Malta,  opoente a todo tipo de droga que cria dependência e altera o humor

A primeira audiência pública no Senado Federal para debater esta polêmica pauta contará com a participação do responsável direto pela política de drogas do Uruguai, Julio Calzada; do representante do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime no Brasil, Rafael Franzini Batle; do secretário nacional de Políticas  sobre Drogas do Ministério da Justiça, Luiz Guilherme Mendes de Paiva; e da coordenadora de Combate aos Ilícitos Transnacionais do Ministério das Relações Exteriores, Márcia Loureiro. Para o senador Magno Malta existe um forte movimento internacional para legalizar a maconha.

Imprimir

Maconha – Que mal essa droga pode causar?

Até hoje sou obrigado a engolir o fato de muitos me perguntarem se realmente a maconha é nociva para a saúde, causa mesmo dependência e se não valeria a pena ser liberalizada.

Vamos aproveitar nosso blog para falarmos sobre os efeitos maléficos que a maconha causa num organismo.

A maconha é derivada da planta Cannabis sativa, cujo princípio ativo principal age em todo o sistema nervoso. Até 2 horas após o uso podemos observar os seguintes sinais: conjuntivas avermelhadas, apetite aumentado, boca seca e taquicardia.

As mudanças comportamentais ou psicológicas incluem: lentidão no tempo, euforia, ansiedade, sedação, letargia, prejuízos nas coordenação e retraimento social.

Imprimir

Magno Malta quer evitar abusos na Lei da Palmada

Depois de acordo com a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família, presidida pelo senador Magno Malta (PR/ES) a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou em votação simbólica, a chamada Lei da Palmada, que visa a coibir o emprego de castigo físico, tratamento cruel ou degradante contra crianças e adolescentes. A proposta segue agora para o Senado Federal

Rebatizada Menino Bernardo, a Lei da Palmada, após quatro anos de tramitação chega ao Senado Federal com várias alterações. “O Estado não pode interferir na educação familiar, mas temos que levar em conta que hoje não existe punição para os responsáveis que torturam crianças e usam tratamento humilhante. Sou a favor de proteger nossas crianças de espancamentos, sem ingerir-se no seio da família, por isso, estarei alerta para evitar os excessos da Lei Menino Bernardo, que foi brutalmente assassinado pelos pais”, disse Magno Malta.