Imprimir

Magno Malta esclarece incidente com petistas no aeroporto de Belo Horizonte

Senador Magno Malta, em plenário, nesta terça-feira, explicou o acontecimento de ontem em Belo Horizonte, envolvendo duas senhoras que partiram para agressão verbal pelo fato do parlamentar ter lutado pelo impeachment de Dilma.  Ele revelou detalhes, inclusive, um telefonema que recebeu do presidente da Azul. Magno combate o ódio e afirma que o momento é de união para resgatar o Brasil da crise política, econômica e emocional
 
Em tom sereno, só para esclarecer os fatos deturpado pela mídia, Magno Malta esclareceu que não foi preso, não foi retirado a força da aeronave e que mesmos sendo a vítima da agressão verbal, poupou as senhoras de maior constrangimento. “Tanto no aeroporto, quanto no interior da aeronave fui bem recebido e tirei várias fotos com diversas pessoas, até quando duas mulheres exaltadas, com palavras inflamadas, gritavam que eu era golpista. Alguns passageiros, não gostaram da atitude delas chamaram o comandante. Educadamente, o comandante da empresa Azul, tentando apagar o fogo, dirigindo a minha pessoa, fez um convite para optar para um outro voo, Por livre e espontânea vontade aceitei na hora. Justamente quando chegou agentes da Policia Federal e um delegado oferecendo apoio. As duas senhoras também deixa ram o avião e perguntaram-me se queria registrar a ocorrência, não, afirmei. É apenas uma manifestação”, esclareceu Magno Malta.

Imprimir

Magno Malta defende fim do benefício na pena para menor de 21 anos e para idoso

O réu que tem entre 18 e 21 anos ou mais de 70 anos conta hoje com a possibilidade de ter sua pena prescrita na metade do tempo determinado para os demais criminosos. Esse benefício, no entanto, pode ser revogado, caso o Código Penal seja modificado conforme proposta pronta para votação na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). O texto aguarda inclusão na pauta. O parlamentar considera que o nível de discernimento dos jov ens e o aumento da expectativa de vida tornam essa regra sem justificativa. É o que pensa o relator, senador Magno Malta (PR-ES).
 
“Os maiores de 18 anos são plenamente capazes, à semelhança do que acontece com a imputabilidade penal, que também é a partir dos 18 anos”, observa o relator.

Imprimir

Magno Malta vota pelo impeachment e participa da posse do novo presidente Michael Temer

Antes da posse do novo presidente da República, senador Magno Malta, comemorou o fim da era PT e do governo Dilma, mas lamentou a manobra de alguns parlamentares permitindo ela ficar inabilitada e poderá exercer funções na administração pública. “Dois pesos duas medidas. Muita gente já pagou caro por menos. O PT abriu uma porta para beneficiar o Cunha, a Dilma e manter a impunidade na vida pública. Mas não ficarei calado”, disse Magno Malta.
 
Canalhas, canalhas, canalhas desabafou Magno Malta apo´s aprovar o impeachment de Dilma. “As ruas, o povo, atendemos ao anseio do Brasil e mudamos os gestores. A crise continua, mas temos esperanças de dias melhores. Resgatamos hoje o patriotismo, o amor à pátria e o estado de direito legitimo da democracia”, explicou Malta.

Imprimir

Magno Malta é o 25º senador explanar o voto pelo impeachment de Dilma nesta terça-feira

Senador Magno Malta, com notória disposição, em plenário, por volta das 18h45m, vai mais uma vez, explicar as razões do seu compromisso com o clamor popular que reivindica a estabilidade política e econômica do Brasil. “O povo já sabe o meu voto, mas serei claro e contundente com a falta de argumentação da presidente afastada, que ontem, deixou o Brasil sem respostas”, esclareceu Magno Malta.

 “O povo está sagrando em praça pública e o governo afastado não aceita a responsabilidade pelo fato. Assim, vivemos uma crise moral, emocional, política e jurídica. Vamos fechar o caixão, pois o defunto está com mal cheiro”, falou.